2007/08/30

O Monólogo das Seringas


Se pudesse ou tivesse vontade de grafitar uma parede, teria que ser algo que me sucedesse de um sonho, como se me estivessem a injectar na pele uma seringa cheia de um líquido amarelado, tipo urina, e no outro braço, com a ajuda de outra seringa, me sugassem as palavras do sangue.

Duas seringas num monólogo precioso.

Felizmente um anjo apareceu, trouxe-me uma espingarda com uma agulha na ponta. Atingi o sonho no meio do seu osso.

Num abrir e fechar de olhos, um desequilíbrio, uma queda e o meu movimento ditou as regras, como se o sonho se esquecesse das palavras.

Como é que os lobos uivam? Awooooooooooo?

2 comentários:

gaZpar disse...

Se nao te conhecesse, diria para deixares as drogas. hehehe
Mas no teu caso sai tudo muito naturalmente. ;-)
hugzzz alucinados

Kraak/Peixinho disse...

GaZpar :) HAAHA! Pois olha o efeito que o meu cerebro tem mesmo que naum tome drogas... LOL.

Hugzz Polacos