2005/04/23

Burning Sorrow



Estão preparados para acreditar que é verdade que tudo o que amamos acabamos por perder? Será que na cabeça de alguém, é possível escolher, não viver novamente?


Como não ouvias nada de jeito na rádio, decidiste fugir para o mais longe que alguma vez imaginaste. Corre! Foge! Abandona o teu nome, as mentiras, a mágoa e a culpa.

Disparo uma pergunta para o ar e eu próprio respondo:

- Onde estás?
Acidentalmente sorrio e respondo. -
No alto de uma montanha, de pé. Com lágrimas sem esperanças, as quais apenas eu posso ouvir.

O telefone não te pode trazer até aqui.

(dedicado à Humanidade, by Kraak/Peixinho 2005, Viagens de Comboio pelo Mar, 1965-XXXX)

20 comentários:

N * disse...

Quero esvaziar a memória ou perdê-la simplesmente, esquecer tudo, completamente.
Lavá-la na água corrente da chuva, branqueá-la na névoa translúcida da manhã.
Anseio principiar tudo de novo, primeiro memorizar as cores, os azuis nas suas cambiantes e as outras também. Cada qual no seu devido sector, servidas por caminhos labirínticos atapetados a musgo, sem fragmentações, sem máculas, sem amarguras.
Não quero deixar espaço livre para as picadas dolorosas, inquietudes e insónias.
Desejo adormecer com o doce odor das laranjeiras em flor e acordar de olhos cerrados e coração fremente.

N.

Anónimo disse...

Apontamento

A minha alma partiu-se como um vaso vazio.
Caiu pela escada excessivamente abaixo.
Caiu das mãos da criada descuidada.
Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.

Asneira ? Impossível ? Sei lá !
Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu.
Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.

Fiz barulho na queda como um vaso que se partia.
Os deuses que há debruçam-se do parapeito da escada.
E fitam os cacos que a criada deles fez de mim.
Não se zangam com ela.
São tolerantes com ela.
O que era um vaso vazio ?

Olham os cacos absurdamente conscientes,
Mas conscientes de si mesmos, não conscientes deles.

Olham e sorriem.
Sorriem tolerantes à criada involuntária.

Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas.
Um caco brilha, virado do exterior lustroso, entre os astros.
A minha obra ? A minha alma principal ? A minha vida ?
Um caco.
E os deuses olham-no, especialmente, pois não sabem porque ficou ali.

FERNANDO PESSOA
(15-5-1929
Cheers Avraham

Lady Heather disse...

Interessante este blog, é importante sentir e exprimir os nossos sentimentos, mesmo quando são menos positivos...

Mendes Ferreira disse...

É verdade. tudo o que nos é verdadeiramente importante acaba por morrer ou desaparecer ou enterrar-se na areia ou fazer-se núvem e depois resta-nos ir à montanha embebedarmo-nos de silêncio ou de palavras secas...
Parabéns.Gosto mt deste lugar.

JGSC disse...

Hello :) Acabei de descobrir este blog e como gostei vou adicioná-lo à minha lista de blogs recomendados.. Espero não haver nada em contra :)

Sereno disse...

gosto do que diz...
vou voltar...

um abraco...

PS - amar nao acaba...tem toda a razao!

Mendes Ferreira disse...

Viva o 25 de Abril e enquanto dorme, espero eu e recupera, venho dizer que de facto o importante mesmo é continuar e continuar a amar. romântico demais não é? mas faz tanta falta um pouco mais de generosidade até para se ser duro...abraço. e Viva o Abril e o Março e a vida.

Mendes Ferreira disse...

"Passa-se?" e é bom ou mau? que inveja dessa juventude...cartas em branco podem ser sinais de medo de esperança de vitalidade de riso de lágrimas sinais de que o tempo "passa" e que às vezes é urgente uma ponte no ar para se chegar ao principio.

Mendes Ferreira disse...

"Arrepie-se" suave suavemente...e claro que pode tratar-me por tu.e gosto muito do e como escreve.Bj.

Kraak/Peixinho disse...

N, nem sempre devemos fazer "delete" às n/ memórias. Algumas são iptantes p/ o n/ percurso. Guarda o + importante no teu sangue. Coisas menos importantes guardamos num tupperware no congelador. O que naum interessa flui organica/ dos corpos ;-).

Adormecer no outono embalado pelo odor das laranjeiras, acordar no inverno com as amendoeiras em flor...

O outono é uma estação do ano onde literalmente deveríamos todos dormir.

Hugzzz
Kraak/Peixinho aka Outono Crítico

Kraak/Peixinho disse...

Avraham, cacos partidos, vasos com algumas raízes criadas, asneiras impossíveis, sensações descobertas, duendes que nos ajudam, ... haverá alguma coisa involuntária? Os Deuses orientam e seguem o nosso itinerário. Eles sabem porque muitas vezes ficamos parados... mesmo que sejamos um caco no palco ou na plateia, apesar de termos brilho.

Proost,
Kraakaum aka Caco Zero

Kraak/Peixinho disse...

Lady Heather, obrigado pela tua visita e pelo teu comentário. Sabes, vou ao teu blog precisamente à procura de momentos positivos. Tks, pal.
Hugzzz

Kraak/Peixinho disse...

Mendes Ferreira, não tenho palavras para expressar a minha satisfação pela tua visita e pelos teus comentários no meu blog. Asseguro-te que vou pôr de lado as palavras secas e vou viajar com a minha bicicleta sobre as nuvens... Aí, nesse local chamado NADA vou observar do alto, o alto das montanhas onde as pessoas choram e oram.

Claro que me passo! E passo-me no bom sentido! Passo-me de alegria, satisfação, prazer, arrepio, ...

E sem nenhuma dúvida, VIVA O 25 DE ABRIL!

Beijaum
Kraakaum aka Arrepiado

Kraak/Peixinho disse...

Jgsc, obrigado pela tua visita. Adiciona o link à vontade. Todas as visitas e comentários são bem-vindos.
Hugzzz

Kraak/Peixinho disse...

Sereno, LondonCity! A tua visita fez sentido no meu sistema solar. Gostei desse poema de ti para ti. Curioso o que nos levou a falar, não? Volta sempre que queiras. Eu irei visitar-te regularmente.
Bjzzz com sabor a chá e sidra
Kraakinho aka Dublin Lover

ti_a_u disse...

Não me parece uma verdade indiscutivel que tudo aquilo que amamos, acabamos por perder... basta darmos valor e demonstrarmos os nossos sentimentos...

"Que não seja eterno posto que é chama. Mas que seja infinito, enquanto dure."

Fugir??? É impossível fugir de nós próprios, abandonar o nosso nome, o nosso passado... Quem dera que fosse possível apagar certas memórias, certas passagens da vida que nunca deveriam ter passado de sonhos, de imagens de um filme sem fim...

Luto diariamente mas um dia tudo será passado sem qualquer peso no dia a dia... escolho não viver novamente?! Adoraria, mas sei que a solidão não faz parte do ser humano...

Kraak/Peixinho disse...

Ti_a_u, nada é indiscutível. Tudo pode e deve ser discutido. O que significa "darmos valor e mostrarmos os nossos sentimentos"?
Fuga?
Relê o post e volta a comentar, se kiseres.
Hugzzz
Kraak/Peixinho aka De Leraar (uff) :)

Anónimo disse...

Fugir??? Isso é impossível... Por mais longe que se vá, um dia tudo volta e por vezes com muito mais força...

"Dar valor e mostrar os sentimentos" é lutar por aquilo que se quer, na altura certa... Mas claro, isso requer coragem... lol

Abraço
ti_a_u

moon between golden stars disse...

"Onde estás?"
Estou aki... sempre estive, e anseio sempre continuar...
como...o...

Azul,
(D)O céu e (d)o mar,
Azul,
A cor e o contraste,
Azul,
A tinta com que escrevo
Este meu poema,
Em honra ao incógnito
Azul do teu olhar...
Azul, azul,
A cor deste sonho
Em que o teu olhar
Cruzou o meu!

vou esperar por esse pedaço de mar... talvez acompanhado de uma quente chávena de chá...

...e vou também juntar-te ao rol dos links misteriosos do meu blog...

********************************

by myself

Kraak/Peixinho disse...

Moon :) Taum bonito o k'escreveste. Porquê o receio de continuar? Porquê o azul tem várias tonalidades? Todas elas bonitas. Porquê misturamos as tintas? Para quê vários azuis diferentes? Turquesa e Escuro que cruzaram os olhares Marinhos; Cianos incógnitos.
Adiciona à vontade. Tb vou fazer o mesmo em relação ao teu blog.
Hugzzz
Kraak/Peixinho aka Azulaak