2008/02/20

O Quadro-Negro Que Não É Verde


É possível transformar uma imensa alegria num infinito ardor?

Procuro o mar: brilhante, fulgurante, transbordante. Pelo caminho, vejo ribeiros que galgam as suas margens. Chego à praia e encontro gaivotas a voarem... em direcção a umas escadas construídas nas rochas. Do alto, querem partir para conhecer o mundo.

E a espuma?

2 comentários:

Carla disse...

depende do ardor de que estiveres a falar!
a espuma...é o manto de serenidade que o mar nos oferece

Kraak disse...

Carla :) O ardor... aquele que queima mesmo. Que dói. Que deixa marcas. :(

Precisava eu dessa serenidade no contraste agitado das gaivotas. Pois é, Carla. A espuma. Serena. Bem atingido. Lindo! :)

Bjzz serenos