2005/07/23

Invenção do Amor

Quem inventou o amor? Há quem diga que o amor é uma espécie de carência. Será? Só se ama quando estamos carentes? Não percebo esta teoria. Eu amo os meus amigos: isto significa que estou carente? Se não estou carente isto significa que odeio os meus amigos? Mas que porra de raciocínio é este? Será que o conceito 'amor' só é aplicado àquelas pessoas que vivem ao nosso lado? Tipo namorada, namorado, marido, mulher, companheiro, companheira? E os nossos pais? Que estupidez.

De qualquer forma quem inventou este conceito de 'amor', não o fez totalmente bem. Pelos vistos, há dúvidas sobre quem deverá englobar a lista dos nossos amores. É tipo lixo reciclado: vidros no vidrão, papel no papelão, pilhas no pilhão, etc.

Há coisas que não são simétricas, não são lineares, que não podem ser definidas por uma função matemática, por mais que se tente. E muitas vezes estas coisas são recorrentes e condicionais: se me amares, eu sigo contigo, se me beijares eu também te beijo, etc. What'ta fuck? Que raio de equilíbrio é este? Promete-me que não conhecerás ninguém e serás alguém em quem possa confiar. A mente humana é muito complicada...

Este mundo anda cheio de gente louca, de gente que faz apostas no amor, de gente que se deixa levar e de eternos idiotas submissos à uma vontade alheia de manipulação.

25 comentários:

PRCarvalho disse...

Quanta confusão!
Alguém inventou o conceito.
Mas poderá se inventar um conceito para algo tão complexo.
Julgo que não.
Não deveremos perder tempo a explicar uma coisa, que se deve sentir, que se deve de atirar de cabeça, sem olhar para trás, experimenta, não penses, não raciocines, deixa-te envolver, age e segue em frente, volta a ter 15 anitos, em que aquela rapariga quando olhava para ti e tu sentias arrepios na barriga.
Deixa de ser racional, de ponderar os prós e os contras, relaxa e voa nas asas de Cupido.

Peky disse...

O segredo é não complicar sentimentos simples...
Já agora ainda dá pra escolher músicas???Tou um bocadinho atrasada eu sei:(

C.S.A. disse...

Percebi-te, meu!

O Puto disse...

Para provar o quão indefinida é essa emoção, encontrei 12 significados/enquadramentos diferentes no dicionário cá de casa. Quem disse que o amor é uma espécie de carência confundiu as coisas. Amor é abundância. Pode surgir por causas egoístas mas induz-nos o altruísmo. Não é um par acção-reacção.
A inteligência não é o único aspecto em que o ser humano evoluiu e se distinguiu das demais espécies. A capacidade para amar tb faz parte dessa evolução.

Depois vou enviar-te um mail com a localização do Radio Bar. Espero contar com a tua presença, amigo! Abraço!

Ricardo disse...

Amor é quando eu me torno teu.

Mendes Ferreira disse...

eu não fui...mas tenho pena.

Anónimo disse...

Puxa vida!...
Ó peixinho, a coisa aqui está preta ou é só pra confusão?

- Cada um ama como pode!!!
Não interessa o conceito dos outros, o meu prevalece sempre!
bj
Aguarela

musikfreak disse...

"Amor é abundância. Pode surgir por causas egoístas mas induz-nos o altruísmo. Não é um par acção-reacção".
Here, here!!!
E isto aplica-se a todas as formas de amor. E é precisamente quando não "precisamos" de determinada pessoa que o caminho para a entrega e para a aceitação a todos os níveis fica aberto.

JGSC disse...

O amor... o que é? não sei dizer com certeza, mas a versão romanceada que anda na boca de meio mundo parece-me bem idiota... Bj**

João M disse...

Eu acho que a resposta aproximada para a pergunta está no título do post: "Invenção do amor". Não concordo com a teoria de que o amor é uma nuvenzinha que um dia desce sobre nós, e pronto, agora somos felizes e completos. O amor não é uma ideia pura. Ele surge por variados motivos e causas, e sim, a disponibilidade para o amor pode nascer na carência. Não há amor sem contexto.

Ecos de Vida disse...

Caríssimo,
Sou mais um espírito que paira neste paraíso adiado, mas sobre a "invenção" de que falas, posso afirmar que já a vivi de muitas e diferentes formas... não chego a conclusão nenhuma, nem tão pouco a consigo definir... mas uma coisa, hoje, eu sei: não consigo viver sem "ela"! Já me isolei "dela", já fugi "dela"... e até consegui durante algum tempo, mas "ela" acabou sempre por me encontrar:umas vezes assim como um relampago, outras (mais ultimamente) devagarinho e sorrateiramente...
Já acreditei em cupidos, em paixões, etc, etc... hoje acredito em construcções.
Termino a minha "espinha" com uma historinha rápida sobre como viver a "invenção": numa praia agarra um punhado de areia - quanto mais apertas mais a areia se escapa entre os dedos e, igualmente, se agarrares outro punhado de areia e abrires a mão ela escapa-se iguelmente e o vento ajuda. Penso que é o equilibrio a chave para contruir... vivendo!
Um abraço
P.

Kraak/Peixinho disse...

PRC, naum há confusão nenhuma! Só acho que os conceitos de quando tinha 15 anos são bem diferentes dos de agora. E acho curioso como determinadas "definições" têm significados diferentes na mente das pessoas. Acho que quem pensa dessa forma, nunca sentiu e, pelos vistos não deixa sentir, o verdadeiro sabor e prazer de amar.

Just it.

Hugzzz irracionais

Kraak/Peixinho disse...

Peky :) Yeap. Para complicada já basta a vida onde realmente há pessoas que tentam transformar conceitos segundo novas teorias desenvolvidas em torno das suas próprias mentes.

Sim, escolhe a musikita! :D

Bjzzz atrasados

Kraak/Peixinho disse...

CSA, haja alguém que me entenda!

Hugzz percebidos

Kraak/Peixinho disse...

Puto :) É verdade. Acho que o teu comentário é que clarifica perfeitamente a baralhada dos conceitos. Há muito para evoluir ainda ;-)

Quanto ao Radio Bar, já te tinha dito, naum? Naum posso mesmo. :( Mas seguramente que vai correr muit'a bem. Aliás, como de costume!

Hugzzz radiofónicos

Kraak/Peixinho disse...

Ricardo, julgo que seja quase isso que afirmas. Aí já podem entrar alguns conceitos que baralhariam mais ainda o significado de "amor".

Hugzzz

Kraak/Peixinho disse...

MF :) Tens pena? Então, como o inventarias?

Hugzzz curiosos

Kraak/Peixinho disse...

Aguarela :) Oops! Acho que naum é bem assim... Cada um ama como pode ou como quer? ou como sente? Naum interessa o conceito dos outros? O teu é que prevalece? Humm... Sua mandona! Impôr-se é amar? Amar é impôr-se?

Bjzzz interrogativos

Kraak/Peixinho disse...

Pop :) Sorry, mas discordo quase na generalidade com o teu comentário. Claro que o amor naum é uma nuvenzinha etc e bla bla bla. O amor é algo que se constrói e é preciso ter muito amor para saber conservá-lo. Aí é que está. Naum há amores curtos. Isto tem outro nome.

Hugzzz

Kraak/Peixinho disse...

MusikFreak :) Pelos vistos concordamos também neste aspecto :)
Hehe.

Bjzzz concordados

Kraak/Peixinho disse...

JGSC :) Heyy! Acho que já respondi implicitamente ao teu comentário noutros comentários. Tens razão. Naum é seguramente a versão da cabana plantada à beira da praia.

Hugzzz na praia

Kraak/Peixinho disse...

Ecos de Vida aka P. :) É mesmo isso! O tempo ajuda-nos a definir como dosear tudo isso por forma a que uma grande parte da areia existente nas nossas mãos ali se mantenha. E claro: há uma diferença grandita entre paixão e amor. Muita gente confunde os 2 sentimentos.

Obrigado pela tua visita!

Hugzzz Nortenhos

lost disse...

O amor nâo pode ser classificado nâo é como a matematica a fisica ou outra ciência. Ele é aquilo que sentimos e desejamos pelos outros. Porque para mim a varias maneiras de amar. Eu amo os meus pais e amigos e sinto um outro amor pela pessoa que compartilho a minha vida, e um amor diferente e aquele que se quer tar perto que doi que nos faz feliz. E é esse amor que nos nao podemos ter medo de ter, temos que ser loucos arriscar aventurar fazer tudo para tê-lo. Mas nao podemos pensar o que é o amor porque esse sentimento só se sente nao se explica.

Kraak/Peixinho disse...

Lost :) Bonito o que escreveste. É esse sentimento que naum se explica que muita gente naum sabe o que é ou naum quer saber...

Um pouco mais de amor ao mundo, sff!

Hugzzz

Anónimo disse...

Não entendeste nada!
É tão simples e não interpretaste bem! Quem disse que sou mandona?
Afinal: amar é dar-se incondicionalmente e saber receber, mesmo que seja pouco.Não é?
bj
Aguarela