2008/04/17

Xeque ao Rei


Os corações das cidades recordam-me outros portos, nostálgicos, onde os tempos modernos ainda permitiam alguma harmonia. O porto, esse era e ainda é pequeno. Um cenário vivido intensamente onde se desenrolavam diálogos a dois cujas testemunhas eram as paredes com azulejos pintados de castanto claro, as plantas ora verdes ora amareladas pelo sol e as janelas que se escondiam por trás de uns cortinados também claros.

Portos intemporais, recatados, povoados pela calma transmitida pelas cores, pelas frutas na mesa presentes, pelos olhares de conforto que só sentimos em casa. Tudo acompanhado com um bom café que através da sua suave e espumante alegria líquida se derramava por estas palavras.

4 comentários:

éme. disse...

:)
Há, efectivamente, portos que nos fazem voltar às memórias de casa e voltar a ter ali ao lado, a janela por que antes podíamos olhar e reparar nas nuvens no céu ou só ver um firmamento brilhante... fosse qual fosse a hora, dia ou noite, o conforto era esse e estava ali mesmo ao lado.

Ali ao lado.
Um conforto que parece que não volta a ser esse.

De novo o cheiro desse teu café entrou por aqui a saber bem! É tarde. Tenho de ir dormir e parece mais tranquila a manhã que ainda nem sequer chegou. São conversas aromatizadas que trazem a noite mais além. São histórias com café
...

Kraak disse...

Éme :) Este é um assunto que me põe com muitas reservas, mesmo que por vezes as cortinas estivessem corridas.

Já aqui ao lado. De facto. De facto. De facto.

De facto, um conforto que parece naum voltar a ser o que era, ou que pelo menos levará muito tempo a se aproximar do que foi.

Como te dizia, fase "transição". Matar o Peixinho para ser o verdadeiro Kraak.

Também tenho que dormir e a vontade de mais um café adoça-me o espírito. Histórias e muitas outras coisas mais com as chávenas de café ali ao lado a amontoarem-se.

"Conversas aromatizadas". Lindo. Ainda vou escrever em breve um post sobre isto. Tu inspiras-me, Éme! :)

Bjzz aromatizados

éme. disse...

... ora ...
(frase lindinha, aquela ali da "acusação" de ser partida de inspiração! - sabes como é o bonequito envergonhado do msn?! pois é esse o ar que me dá, a leitura da ideia!)

As conversas à volta do ambiente com café são sempre palavras que se soltam, que vão mais longe, que nos levam por aí...

Os teus "de facto" insistentes também darão pano para mangas, para fatos inteiros, direi mesmo! ;)

Bjzzz de grão torrado

Kraak disse...

Éme :) "De facto"s insistentes... sim. O aroma do café entranhado nos fatos comprados em segunda mão, naum sei se 'tás a ver... Terno e quente, como uma recordação distante.

O termo terno joga bem com o fato, embora o tenha usado na terminologia portuguesa europeia. :P

Bjzz moídos