2006/03/15

Isaura ou o Maná no Deserto


Há pessoas que se deixam controlar, como se fossem robots expostos de uma forma obscena. Mas a fachada... lá continua... e rígida! Têm esta noção, mas depois deixam-se embrulhar com papel de parede por uma espécie de abraço iluminado ou um beijo afogado.

Devasta e recoloca. Abre a porta: mas, a porta de correr, e prolonga o corredor como se o espaço e o momento permitissem a negação da tua própria inteligência. Tipo "sou o (a) teu (tua) escravo (a)". Qual o motivo? Não há. Sou e pronto.

Agora em vez da banheira quero um roupeiro. E depois quero uma sala em vez de um estábulo. Eu sei: quando quiseres deitar-me para o lixo, eu vou junto com a corrente, pelo cano do esgoto até ser impedido de continuar o caminho, por um qualquer dique holandês.

Como é possível valorizar o original e restaurar o que se degrada? Não será seguramente a subtrair o espaço disponível em favor de outros programas duvidosos: passa por arrumares as ferramentas e dedicar-te à criação de animais.

5 comentários:

spartakus disse...

PRECISO DE TI NO MEU BLOGUE

Extravaganza disse...

what? :s

Kraak/Peixinho disse...

Spartakus, Extravaganza :) :) ??

Extravaganza disse...

Estás com obras em casa? :)

Kraak/Peixinho disse...

Extravaganza, LOL. Preciso de uma chibata :)