2005/10/15

Como se comesse relva

Tinha sede e fui beber do rio. Apreciei. Os sons do mar invadiram as minhas mãos, apesar dos meus braços frios. Com isto o calor começou a boiar no meu corpo. Oceanos, mares, águas de rios que correm sempre para um mar maior. E foi neste ângulo que reconquistei a minha energia. Nasci. Apesar do barulho eu só queria o silêncio e após o silêncio só queria o barulho.

Não. Ninguém tira a minha energia. E como já a recuperei, nada como um duche para ir já bulir de seguida.

Work sucks!

4 comentários:

Pinto Ribeiro disse...

bom dia, então. 1 abraço.

Cadelinha Lésse disse...

O que eu mais aprecio na relva é o cheiro que exala quando é rapada e, logo em seguida, regada. Sendo Verão, adoro descalçar-me e passear sobre ela no quintal, com as cócegas todas a vir ao de cima (ou ao de baixo, na planta dos pés...)!

Kraak/Peixinho disse...

PR :) Obrigado! Bem precisei! Uma boa noite para ti.

Hugzz agradecidos

Kraak/Peixinho disse...

Lésse :) Wee! Eu tb gosto. Mas agora estamos no Outono, LOL. Mas deixa-me dizer-te uma cena: naum gosto de comer relva! :D

Bjzz verdes