2007/11/20

Ausência em Modo Côncavo


Confuso e ainda entre estações,
deixo que a sombra acenda a luz do quarto,
olhos abertos, quieto numa madrugada
nada parada
onde o mar que se ouvia
para a janela me guiaria
lá, onde se via que a água que escorria
desenhava inconscientemente
a silhueta de quem a luz do quarto
deixara trémula e indecifrável.

Chovia.
Muito. Finalmente as Nuvens comigo choraram.
Na incerteza do possível,
tal como os dragões seguem os barcos.

4 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

na "magnifica" incerteza deste teu impossível....









Beijos.

éme. disse...

Os dragões seguem os barcos? Então será que é o S. Jorge, o protector dos navegantes?... :)

As incertezas choradas comandam tanto as nossas vidas... às vezes.
Ando cansada de luzes pardacentas e sombras acesas sem aviso. mas antes encontrar as sombras de súbito que cair em vazios iluminados que fundem o relevo quente dos dias.
... ou noites, digo eu. mas sei lá...

Kraak/Peixinho disse...

Isabel Mendes Ferreira :) Sim, como se eu começasse de uma página em branco...

Bjzz do princípio

Kraak/Peixinho disse...

Éme :) Se calhar são os dragões que ao fim e ao cabo iluminam as rotas daqueles que andam à deriva. Possivelmente esse mesmo fogo consegue derreter os icebergs que encontramos ao longo da viagem e assim desviamo-nos do naufrágio quasi-certo. Com ou sem sombras. Com incertezas choradas e com as certezas que ainda temos que chorar.

Bjzz pendurado na asa de um dragaum